Lucas Corazza (SP)

Prato: Torta de chocolate 70% de origem do brasil com pipoca caramelizada e flor de sal

O chef Lucas Corazza especializou-se em confeitaria na França, nas renomadas Écoles Nationale Supérieure de Pâtisserie, em Yssingeaux, e na Ecole Gastronomique Bellouet Conseil, em Paris. Atualmente está na televisão como um dos três jurados do programa Que Seja Doce, da GNT.

Rodolfo Mayer (MG)

Prato: Copalombo com gremolata de azeite com castanha de baru e cuscuz de milho de Minas

Nome por trás do restaurante Angatu, premiado com uma estrela pelo Guia 4 Rodas, Rodolfo Mayer assina uma cozinha contemporânea, mostrando o Brasil como um todo, unindo as regionalidades, transformando e extrapolando os limites do nosso país.

Marcelo Correa Bastos (SP)

Prato: Churrasco com farofa de bacon e cebola e salada de batata / foto na pasta

Aberto em 2012, o restaurante Jiquitaia, do chef Marcelo Corrêa Bastos, tem um cardápio recheado de pratos que valorizam a cozinha e os ingredientes brasileiros. O restaurante acumula prêmios e indicações, como: Melhor Almoço Executivo pelo suplemento Comer e Beber da Veja SP, segundo Melhor Restaurante Brasileiro de acordo com Veja SP e Época SP, e segundo colocado na eleição de Chef do Ano do Guia da Folha, Bib Gourmand do Guia Michelin.

Checho Gonzales (SP)

Prato: Caldeirada de paio, linguiça defumada, batata, couve, vôngole e mexilhão / foto na pasta

O chef boliviano está à frente de duas casas em SP: Comedoria Gonzalez e o Mescla.  A primeira traz uma comida de imigrante, com forte raiz boliviana e alma andina, já a segunda, inaugurada este ano, foca na comida caseira e rústica, com toque bem autoral.

Matheus Zanchini (SP)

Prato: Panzerotto Alla Bolognese – Panzerotti recheado com queijo tipo taleggio coberto com bolonhesa de linguiça caipira e pesto

Chef do Borgo, restaurante localizado na Mooca, em SP, ele se destaca por uma cozinha inquieta e de veia experimental. Formado em gastronomia, passou por cozinhas comandadas por grandes chefs até abrir seu próprio espaço. Nas referências, a cozinha de família (italiana) ganha destaque.

Rê Cruz (SP)

Prato: Porção de coxinha

Após uma década atuando em buffet, a chef Renata Cruz abriu seu espaço voltado para a comida artesanal para eventos. O Rê Cruz To Go deu tão certo como e-commerce para encomendas que ganhou ponto físico em SP.

Greg Caisley (SP)

Prato: Hambúrguer original

O australiano tem no Brasil, entre outros estabelecimentos, a Patties – lanchonete inspirada em antigas redes de fast-food fica na Zona Sul de SP. Ele serve hambúrgueres sem frescura, fininhos e saborosos.

Fernando Oliveira (SP)

Prato: Pizza d’A Queijaria

Um dos nomes por trás d’A Queijaria: um projeto que fomenta a pequena produção de queijos vivos e artesanais nacionais há 12 anos, além de servir deliciosas pizzas em estabelecimento de mesmo nome, Fernando Oliveira é profundo conhecedor de queijos e importante difusor da cultura do produto artesanal brasileiro.

Paulo Yoller (SP)

Prato: Buns de porco ou vegetariano.

Dono do Meats e do Bao Bao Baby (SP), Paulo é uma referência quando o assunto são baos (sanduíches feitos com pão chinês cozido no vapor). A massa ganha recheios que vão dos clássicos ao inusitado nas mãos do chef.

João Diamante (RJ)

Prato: Tacos nordestinos

Chef, ativista pela culinária inclusiva, fundador do projeto social Diamantes na Cozinha. João Diamante trabalhou com grandes nomes da cozinha, foi premiado em 2017 como “Chef Revelação” pelo Prêmio Infood de Gastronomia e foi convidado a ser embaixador gastronômico do Circuito Gastronômico de Favelas no Rio de Janeiro. Atualmente João é Chef de cozinha no espaço NA Minha Casa, jurado do Programa Cozinheiros em Ação (GNT) e consultor.

Yuri Machado (PE)

Prato: Espeto de bode com temperos nordestinos, farofa de tapioca e creme azedo de nata sertaneja

Sergipano, foi morar em Recife para cursar gastronomia, depois mudou para SP fazer estágio e, em seguida, foi para Lima com o mesmo propósito. Já integrou o time de gastronomia do Cirque du Soleil, trabalhou no Cosme, em Nova York, além de outros estabelecimentos. Em 2017 abriu o Ca-já, que tem uma proposta atemporal, na qual ele explora elementos regionais em receitas modernas e criativas, que também fazem referência às memórias de sua infância em Aracajú.

Vitor Generoso (AL)

Prato: Desfiada confiada

O alagoano Vitor Generoso comanda o restaurante Divina Gula, em Maceió. O estabelecimento, que pertence à sua família, é um dos mais tradicionais da capital alagoana. Viajou, morou na França e no Peru, onde se dedicou a estudar e buscar referências gastronômicas antes de se estabelecer na cozinha do restaurante.

Leo Hamu (DF)

Prato: Pão, linguiça caipira conservada na banha, ragu de linguiças, mostarda com maçã verde, molho chippotle e queijo (derretido com maçarico)

Neto de sírio-libaneses que aportaram no Brasil no final do século XIX, Leo Hamu é um produtor de linguiças reconhecido pela qualidade de seus produtos. A tradição começou por sua família e segue com ele. No Distrito Federal, ele é figura carimbada pelos clássicos servidos em sua banca na Central de Abastecimento (Ceasa).

Henrique Gilberto (MG)

Prato: Broa com requeijão moreno, creme de milho doce e coxa de frango desossada na brasa

Chef do “Cozinha Tupis”, estabelecimento que reativou o Mercado Novo, no centro de Belo Horizonte. Por lá, faz uma cozinha fincada em 100% dos produtos adquiridos na região central da cidade, para ativar a microeconomia do centro. Além disso, usa os ingredientes em sua totalidade, criando novos e saborosos pratos. Serve uma comida inusitada e saborosa, agradando os mais diversos paladares.

Diogo Sabião (RO)

Prato: Risoto de arroz integral (vermelho ou negro) no tucupi e jambu com pirarucu

Chef formado por “Gato Dumas, Colegio de Cocineros” em Buenos Aires, Argentina. Em 2010, fundou o Jarude Restaurante Árabe e a Doce Recoleta Confeitaria, que apesar de estarem localizados longe de “grandes centros”, ambos se tornaram referencias nacionais em seus segmentos. Atualmente, realiza cursos particulares pelo Oficina de Culinária, com até 10 pessoas. Também é responsável pelo NiÁ, projeto que promove menu degustação de 5 tempos com referências internacionais + raízes brasileiras.

Gabriela Carvalho (PR)

Prato: Polenta branca com fonduta de queijo Colonial, cogumelos selvagens e pinhão

Com uma visão ampla de todo o processo da preparação dos pratos, conquistada em viagens e experiências pelo mundo, a chef é defensora do slow food, movimento que propõe a trilogia de refeições longas, comidas saudáveis e ingredientes da estação. À frente do Quintana Café e Restaurante, ela prioriza ingredientes frescos e locais.

Leonardo Macedo e Tito Barcellos (SP)

Prato: Torta Banoffee

Donos do Nanica, estabelecimento que faz a banoffee mais famosa de São Paulo, os sócios conquistaram o paladar de influenciadores e celebridades e se tornaram fenômeno no Instagram com a torta de dar água na boca. 

Tiago Silva (PA)

Prato: Sorvetes Artesanais

Mestre sorveteiro formado na Itália, Tiago Silva divulga os sabores da Amazônia  através de seus sorvetes.