Conheça como é a criação da galinha-d’angola no Piauí que é conhecida pelo nome “capote”

A ave é originária da África e possui um sabor semelhante ao de uma carne de caça, como o faisão.

Conheça como é a criação da galinha-d’angola no Piauí que é conhecida pelo nome “capote”

No Piauí, a galinha-d’angola é conhecida pelo nome “capote”. A ave rústica, arisca e barulhenta, é originária da África e possui um sabor semelhante ao de uma carne de caça, como, por exemplo, o faisão.

A empresária e cozinheira Jesus Carvalho, da Chácara Longa, brinca que ir ao Piauí e não comer capote é o mesmo que ir ao Vaticano e não ver o papa. “Nossa comida típica é caracterizada pela galinha caipira ensopada, pela panelada com pirão, pela maria-isabel. Mas acho que o principal símbolo da culinária piauiense é a capote”, diz Jesus. Por ser geralmente criada solta no fundo de quintal, a capote possui uma carne rija. “Por isso, tem que cozinhar por mais tempo, até mesmo um pouquinho mais do que uma galinha caipira”, explica a cozinheira.

Em Teresina, há vários restaurantes especializados em servir capote. Jesus explica que a ave pode ser preparada de inúmeras maneiras. “Tem a capote ensopada ao molho pardo ou ensopada no leite de coco. Tem a capote frita. Mas eu acho que a principal receita é o arroz de capote”, diz. O prato consiste na ave cozida e desfiada e misturada com arroz, colorau e cheiro-verde. “Agora, todo bom arroz de capote tem que ter o ‘pegado’, que é o arroz queimadinho que fica grudado no fundo da panela. Ah, e se vir acompanhado de um ovo de capote, que tem uma cor de abóbora e um sabor delicioso, melhor ainda”, diz Jesus, sorridente.

Veja aqui como preparar um delicioso arroz de capote!