A cata do Turu

Vamos juntos até o Pará saber mais sobre como é feita a cata do Turu.

A cata do Turu

Um alimento popular entre os nativos da Ilha de Marajó pode causar repulsa àqueles que visitam o santuário ecológico pela primeira vez. O turu, um molusco leitoso e esbranquiçado que pode alcançar um metro de comprimento, é um dos símbolos da culinária marajoara. Também conhecido como “bicho do pau”, é rico em cálcio e proteína. Porém, parte dos moradores da ilha não o idolatra pelo alto teor nutritivo, mas por acreditar que ele é afrodisíaco.

Os amigos Rafael e Safiro são catadores de turu em Salvaterra e acompanham turistas que têm interesse em saber como é feita a cata do molusco. “Onde tem mangue, tem turu. E, para catar os bichos, tem que ser na maré baixa”, explica Rafael. O catador conta que o animal habita o interior de troncos caídos sobre a lama do manguezal. O tamanho varia de 10 centímetros a mais de 1 metro, dependendo da idade.

Ao entrar no mangue, os dois amigos carregam um machado e um balde de plástico com limões e um saleiro. O kit servirá para provar o molusco tão logo o encontrem. Quando há uma árvore caída, um deles dá uma machadada no tronco. “Nem todas têm turu. É preciso ter paciência para achar o bicho”, diz Safiro. Minutos depois, um novo tronco é aberto. Dessa vez, há dezenas de turus. Eles são retirados do local, puxando-os com os dedos, e colocados no balde. Rafael demonstra como prová-lo: “é só tirar a cabeça dele, que é dura, abrir a barriga com um espinho, retirar a tripa e lavar na água”. O jovem tempera o molusco com limão e sal e o coloca para dentro da boca como se fosse um espaguete grosso.

Na Pousada dos Guarás, em Soure, o cozinheiro e gerente Roberto Carvalho revela que, além de cru, o turu pode ser provado cozido em um caldo. O inusitado ingrediente também lhe causou estranheza quando chegou à ilha. “Sou mineiro e não conhecia o turu antes de vir para cá. Foi uma grande surpresa”, lembra Roberto. “É preciso entender que o turu é um alimento que não está no cardápio dos restaurantes da ilha, mas, sim, dentro das residências de pessoas mais humildes. É algo comum, por exemplo, no cotidiano dos catadores de caranguejos que trabalham no mangue. Ali, longe da cidade, eles precisam se alimentar e, por isso, comem o turu”. Sobre o preparo do caldo do molusco, Roberto diz ser bem simples: “primeiro o turu tem que descansar numa tigela por cerca de uma hora, para soltar um líquido leitoso, que será utilizado na hora do cozimento. Depois, basta refogar uma cebola, uns dentes de alho, pimentão e tomate picados e uma pimenta-de-cheiro”. O cozinheiro conclui que o turu, com o líquido leitoso, é adicionado à panela, onde deve ser cozido por cerca de três minutos. Por fim, tempera-se o caldo com cheiro-verde, sal e algumas gotas de limão.

 

Veja a receita completa do caldo de Turu.